Corpos hídricos interceptados pela BR-101/NE são monitorados pela Gestão Ambiental no mês da água


Para a prevenção e mitigação de possíveis impactos ambientais provenientes das obras de duplicação da rodovia BR-101 PE/AL/SE/BA, ou demais empreendimentos rodoviários, é fundamental conhecer a qualidade da água dos recursos hídricos interceptados por esta.

Diante disso, o Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas (PMQA), é realizado pela Gestora Ambiental em caráter trimestral, sendo executado ao longo dos 63 corpos hídricos que interceptam a citada rodovia ou estão na área de influência das obras de duplicação da BR-101, sendo 2 em Pernambuco, 19 em Alagoas, 30 em Sergipe e 12 na Bahia.


Em março/22, o programa está na sua 43ª campanha e visa, por meio das coletas das amostras de água, analisar 11 parâmetros físico-químicos, relacionados à qualidade destas.

Dentre os parâmetros analisados estão: óleos e graxas, oxigênio dissolvido, turbidez, pH, sólidos dissolvidos totais, temperatura, sólidos fixos, sólidos suspensos totais, sólidos totais, sólidos voláteis e condutividade elétrica. Parte dessas análises é feita in loco através da sonda multiparamétrica, e as demais em laboratório.


De acordo com normas prescritas, os dados coletados são analisados com base na legislação vigente, resolução Conama nº 357/05, e uso de método de teste estatístico específico. Caso sejam identificados impactos ambientais relacionados às obras de duplicação da BR-101, a Gestora Ambiental emite informes e/ou notificações a fim de reverter os impactos adversos, sendo estes encaminhados às construtoras, gerenciadora de obras e/ou superintendências regionais do DNIT (conforme situação analisada).

“O acompanhamento da qualidade das águas efetuado pela Gestão Ambiental associado às práticas ambientais e de medidas de controle adotadas pelas construtoras, garante a manutenção da qualidade da água destes corpos hídricos”, enfatiza Adriane Pimenta, Oceanógrafa e especialista ambiental.

45 visualizações0 comentário